2017-2021 • GESTÃO INDEPENDENTE, DEMOCRÁTICA, DE BASE E DE LUTA!

Notícias

Fique por dentro de todas as atividades do sindicato.
24 jan

Síndrome Pediátrica: RS tem primeira morte de criança por doença inflamatória rara associada ao coronavírus

MENINO DE 7 ANOS ERA MORADOR DE ALTO FELIZ, NA SERRA GAÚCHA, E TESTOU POSITIVO PARA COVID-19.

Secretaria Estadual da Saúde (SES) registrou, nesta quinta-feira (21), a primeira morte no Rio Grande do Sul em decorrência da síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), que é considerada rara. Trata-se de um menino de sete anos residente em Alto Feliz, na Serra

O óbito ocorreu no dia 11 de janeiro, após a criança receber tratamento intensivo e ter teste positivo para a covid-19. A SES informou que a doença está associada ao coronavírus e é caracterizada por febre persistente acompanhada de sintomas que podem incluir dor abdominal, conjuntivite, manchas vermelhas na pele e erupções cutâneas. 

Conforme a secretaria, o caso do menino de Alto Feliz iniciou com uma internação em 1º de janeiro com quadro clínico suspeito para apendicite. Após a realização de exames, a suspeita foi descartada. A confirmação para a SIM-P ocorreu após exames de sangue específicos apontarem marcadores inflamatórios característicos da doença. 

Mesmo sem apresentar sintomas respiratórios usuais da covid-19, a criança teve teste positivo para a doença. De acordo com a SES, o menino recebeu tratamento com imunoglobulina e precisou de internação em UTI. O local da internação não foi informado. 

Conforme a enfermeira Leticia Garay Martins, do Núcleo de Doenças Respiratórias do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), a síndrome apresenta sintomas como febre, dores abdominais, manchas na pele e irritação dos olhos:

— Como uma síndrome multissistêmica, ela acomete vários órgãos e vários sistemas. 80% dos casos têm como manifestação clínica importante as questões cardíacas. Mas isso vai depender de como o vírus está se espalhando pelo corpo — comentou. 

A enfermeira informou, com base na investigação feita pelo hospital onde a criança estava internada, que o menino não apresentava nenhuma doença prévia. A especialista lembrou, ainda, que os casos de SIM-P são raros:

— Era uma criança hígida, saudável. Além disso, por estar associada à uma complicação tardia da covid-19, independe a data em que ocorreu o exame.

Do total de 25 pacientes com SIM-P no Rio Grande do Sul, 24 ficaram curados e um morreu. Foram, até o último balanço, 17 meninos e oito meninas, com idades entre zero e 15 anos. A maior parte dos casos registrados foi em crianças de seis a 10 anos, com 11 casos. A faixa etária de um a cinco anos teve sete confirmações. Foram contabilizados três casos entre bebês menores de um ano e quatro casos entre jovens de 11 e 15 anos.

A notificação de casos foi instituída no início de agosto no Rio Grande do Sul. Conforme a última atualização do Ministério da Saúde, no dia em 24 de outubro de 2020, o Brasil contabilizava 511 casos, com 35 óbitos.

Ouça a entrevista completa.

Com informações: gauchazh.clicrbs.com.br/

APP Sindicato Londrina.
Gestão Independente, democrática, de base e de luta.